Escrita por Sarah J. Maas, a série Trono de Vidro teve seu início em 2013, publicados pela editora Record – selo Galera Record.A saga é composta atualmente por seis estórias.

Celaena Sardothien

O primeiro volume da série funciona como uma introdução à vida de Celaena Sardothien , uma assassina – a melhor de Adarlan – que aprisionada nas minas de sal sombrias de Endovier há um ano, traz em seu corpo e sua mente cicatrizes profundas, mostrando o tempo que passou cumprindo sua sentença. Um dia, é surpreendida ao receber uma proposta do príncipe Dorian Havilliard, que está em busca de seus serviços, em troca – é claro – de sua liberdade… se tudo ocorrer conforme o acordo. Ela terá que representar o príncipe de Adarlan num torneio contra os mais habilidosos assassinos do reino e se provar digna de ser chamada de Campeã do Rei. O conflito ideológico que Celaena se encontra está entre sua morte ou representar àquele que dizimou sua terra natal e a aprisionou. Mas ela está disposta a tudo.

A narrativa se torna atrativa por conta da quantidade de detalhes que o livro vai apresentando no virar das páginas, sem muita enrolação. É o tipo de leitura que prende você. Com uma protagonista arrogante, teimosa, há quem não goste de primeira, mas o fato de ser uma mulher em busca de vingança, chama bastante atenção. Tem algumas reviravoltas, e a autora adiciona um triângulo amoroso (o que achei desnecessário), mas ajuda na conclusão do livro e forma alguns indicadores para os próximos volumes.

O segundo volume – Coroa da meia noite, foi publicado em 2014, também pela editora Record. Prosseguimos com a história de Cealena Sardothien, que agora torna-se a assassina real, depois de ter vencido o torneio do Rei e se livrar da morte de Endovier. Mas na verdade, logo no início do livro, ao invés de estar matando os inimigos do rei, ela está forjando suas mortes. Sua próxima vítima é um antigo conhecido, Archer, e por meio dele ela descobre que nos arredores do castelo uma rebelião está por vir contra os planos do rei. Mas antes de tomar qualquer inciativa, Celaena quer descobrir que planos são esses, tão enigmáticos.

Assim como o volume 1, a trama tem suas reviravoltas, mostrando o quão profundos e complicados são os problemas que rodeiam nossa protagonista forte e decidida. Entre muitos segredos e lacunas a ser revelados, a história se desenrola de maneira fluida, com uma narrativa mais leve, prendendo – novamente- o leitor. Temos ainda o Chaol, capitão da guarda real e a paixão de Cealena, um pouco chato nesse segundo volume (como eu já havia falado, desnecessário).

O terceiro volume – Herdeira do Fogo, foi publicado em 2015, também pela editora Record. O rei de Adarlan está revelando cada vez mais seu lado sombrio, e o pobre príncipe Dorian está a sua mercê. Cealena agora é enviada a Wendly, como assassina real, pra matar o rei Galan Ashryver, herdeiro de Wendly, mas ela descobre sua verdadeira herança: é herdeira de Terrasen, seu nome? Aelin Galanthynius. Quando chega a Wendly, ela não o mata, com o interesse de descobrir como chegar à Maeva – sua tia e rainha dos feéricos; que poderia ter respostas de como entrar a terceirachave de Wyrd.

Em meio a tantas revelações, você é jogado numa mistura de Assassin’s Creed com Game of Thrones. A beleza está na reviravolta que dá na vida da melhor assassina do reino e os segredos maléficos que cerco o reino de Adarlan.

(Continua)