Mulher-maravilha

Acorda, alimenta o filho, dá banho, coloca no carrinho, coloca roupa pra lavar, limpa casa, trabalha, o filho tá chorando, coloca ele pra dormir, toma café, entra em reunião (google meet), faz uma ligação, já começa a fazer o almoço, o filho acorda, estende as roupas no varal, dá o lanche, termina a reunião, volta pra o almoço, começa um relatório, faz outra ligação…. E isso é uma rotina de uma mulher que trabalha, faz faculdade, é dona de casa e mãe em tempo integral (se tivesse horário pra largar seria muito legal, ou não).

Meu nome é Larissa, e acima está minha rotina. Mas é o que eu posso, o que eu consigo fazer e muitas mulheres passam pelo mesmo todos os dias, o que nos leva a uma pergunta importantíssima: Por que nos chamam de Mulher-Maravilha? A sociedade nos cobra esse tipo de comportamento devido à estrutura atual, onde temos que batalhar para conquistar nosso espaço na vida em si chegando a um certo nível de esgotamento mental, o que conhecemos também como exaustão psicológica, podendo causar a síndrome da Mulher Maravilha. 

A Síndrome da mulher maravilha

A definição dessa síndrome é aquela mulher que tem que fazer por necessidade as tarefas diárias e dar conta das responsabilidades atribuídas a ela, que – diga-se de passagem, são muitas! Que acabam sobrecarregando e desencadeiam gatilhos emocionais.

Estamos em busca de liberdade dos padrões, igualdade de gênero, mas com isso, muitas pessoas ligam essa luta em precisar ser melhor mãe, bem-sucedida profissionalmente, esposa exemplar e presente, dona de casa maravilhosa e estar linda como num comercial de absorvente, tudo isso ao mesmo tempo – tá passada?

É muito comum ser confundida com outras doenças, o importante é ressaltar que síndrome é o conjunto de sintomas que podem ser observados em várias doenças sem causa específica. Sendo assim, o da mulher maravilha não é uma doença em si, mas pode desencadear problemas como estresse, ansiedade e transtorno de personalidade.

Existem inúmeros sintomas que podem caracterizar a exaustão mental. Os principais são: desânimo, cansaço excessivo, sonolência, insônia, dificuldade de concentração, perda de memória, alterações constantes de humor, irritabilidade, depressão, perda ou ganho de peso, angústia e tristeza. A depressão e síndrome do pânico são trazidos nas sessões de psicoterapia, já o sofrimento mental e psíquico são visíveis nas sessões e no dia a dia da mulher.

Tratando a síndrome

Durante o processo terapêutico muitas mulheres percebem que não precisam ser perfeitas todo tempo. Sendo assim, é possível encontrar o equilíbrio na terapia, mas você pode tentar – também – técnicas de respiração para ajudar a acalmar a mente. A meditação ajuda a fazer uma conexão com sua essência, buscando o que existe de melhor dentro de si.

Sobre o tratamento, é importante que a mulher tenha o diagnóstico percebido por meio dos sintomas e comportamentos apresentados seja por um parente que sentiu mudanças significativas no estilo de vida dela ou mesmo um profissional de saúde que percebeu o alerta. Depois, é necessário buscar ajuda de um profissional qualificado como o psicólogo, que ajudará a ver caminhos diferentes, mostrando de que maneira lidar com esse problema e desconstruir crenças limitantes de como ser mulher. É através do processo terapêutico que ela poderá ressignificar sua história de vida e seguir adiante com qualidade de vida física e emocional.

Observação: todo mundo tem tempo, só saber se organizar direitinho, principalmente quando o assunto em pauta é saúde! Pra onde é que tu vai sem estar bem consigo mesma? Se cobrando desse jeito? Adoecendo? Eu sou a louca das listas, por isso comprei um caderno e vou anotando tudo pra não esquecer, fora que ainda tenho uma agenda física e uso a do google para partilhar algumas coisas com meu esposo. Em geral, me sinto cansada no final do dia, mas sempre vou ter tempo para cuidar da minha saúde!

Dica de livro

Em Vida Organizada, Thais Godinho te mostra as melhores maneiras de organizar a rotina e a vida. Taí uma palavra ligada a uma realidade utópica, mas você pode viver em paz com as coisas no lugar. O livro aborda a organização da casa, do trabalho e de todos os itens fundamentais para deixar o dia a dia mais tranquilo e, principalmente, para que você possa ter muito mais tempo para outras atividades.