A nova minissérie da Netflix é baseada no livro de mesmo nome, escrito por Walter Tevis e lançado em 1983. A produção é criada por Scott Frank e Allan Scott e protagonizada por Anya Taylor-Joy. O nome da minissérie faz referência a uma famosa jogada de abertura no xadrez, o gambito da dama.

A minissérie conta a vida de Elizabeth Harmon, que ainda criança perde sua mãe e vai viver em um orfanato, lá ela descobre o xadrez, toda a sua genialidade e potencial. Vemos Beth crescendo passando de uma prodígio do xadrez e se tornando uma Grande Mestre (Título vitalício concedido pela Federação Internacional de Xadrez aos enxadristas profissionais), ao mesmo tempo que ela precisa lidar com seus vícios.

O Gambito da rainha vai agradar tanto pessoas que saibam jogar xadrez quanto as que são completamente leigas no assunto. A trama é contada de forma didática e cita grandes nomes do esporte. Os melhores momentos aqui são os jogos, apresentados de forma sensacional e com uma montagem dinâmica, para não cansar o público. São usados diversos planos de uma mesma situação de forma bem elaborada, com muito close-up para captar as emoções dos enxadristas nos momentos decisivos de uma partida. Para a construção das cenas das partidas e jogadas, a minissérie contou com a consultoria de dois grandes nomes do esporte: Garry Kasparov e Bruce Pandolfini. É fascinante toda a atmosfera, mesmo com uns pontos de virada bem clichês.

A narrativa te envolve e o ritmo é excelente. Trazendo no subtexto pitadas sobre o machismo e sororidade. Existe algumas facilidades de roteiro, principalmente no que diz respeito a alguns personagens secundários, mas nada que sacrifique o brilho da história. Beth é uma personagem cheia de camadas, uma protagonista única, cheia de falhas, mas que ao mesmo tempo é independente, decidida e com um texto brilhante. Ela acaba descobrindo o preço da sua genialidade e embarcando em uma jornada autodestrutiva. A trama expõe várias situações que levam Beth a tentar vencer seus obstáculos pessoais além de seus adversários. Anya Taylor-Joy está impressionante, ela teve que aprender a jogar xadrez, assim como o elenco também recebeu treinamento básico. Além disso ainda é abordada a tensão da Guerra-fria, principalmente no mundo do esporte.

A cenografia e o figurino estão excelentes e muito elegantes. O Gambito da Rainha é tudo que você precisa e nem sabia. Uma das melhores obras da atualidade que traz o xadrez como temática, além de discutir assuntos tão relevantes. Vale a pena conferir. A minissérie possui 7 episódios com duração entre 40-60 minutos.

Vale salientar, que esse projeto já foi idealizado para uma adaptação para o Cinema. Allan Scott, comprou os direitos do livro e desde os anos 90 escreve o roteiro. Em 2007 ele entrou em contato com ninguém menos que, Heath Ledger, que se interessou pelo projeto e faria sua estreia como diretor. Infelizmente, Ledger veio a falecer em 2008 e a história passou mais uma década para ganhar as telas, agora como minissérie.