Se tem notícia do surgimento do Cinema no Brasil com sua primeira exibição em 1896. Os primeiros filmes brasileiros foram rodados e realizados a partir de 1897, mas o primeiro filme dirigido por uma mulher só veio acontecer em 1931, com Cléo de Verberena e o seu filme O Mistério do Dominó Preto.

Em 1979 Adélia Sampaio estreou na direção com o seu curta-metragem “Denúncia Vazia”. Em 1984, estreou seu primeiro longa “Amor Maldito”, inspirado em um caso real, sendo a primeira mulher negra a dirigir um longa-metragem no Brasil. Ela encontrou muita dificuldade para conseguir produzir seu filme e depois de pronto, ainda teve que passar por muitas barreiras para distribuí-lo e divulgá-lo. O longa é considerado o primeiro filme brasileiro com temática lésbica. Adélia enfrentou muito preconceito da indústria do Cinema.

Depois de Adélia, quebrando um jejum histórico da falta de mulheres negras como diretoras no audiovisual brasileiro, Viviane Ferreira veio estrear seu primeiro longa “Um dia Com Jerusa”, sendo a segunda mulher negra brasileira a dirigir um longa-metragem.

Hoje em dia muito se discute sobre representatividade, mas nem todo mundo busca conhecer ou assistir obras de mulheres negras no audiovisual. Então, listamos aqui algumas mulheres que estão produzindo muitas obras pertinentes e que estão cada vez mais ganhando seu merecido espaço. Vocês precisam conhecê-las e assistir os filmes dessas mulheres!

Adélia Sampaio
Diretora, produtora e roteirista. Primeira mulher negra a dirigir um longa-metragem no Brasil. Participou da produção de muitos filmes e trabalhou como assistente de direção. Sua cinematografia consiste em: “Denúncia Vazia”(1979), “Amor Maldito”(1984), “Fugindo do Passado: Um Drink para Tetéia e História Banal”(1987), “AI-5 – O Dia Que Não Existiu” (2001) em parceria com o jornalista Paulo Markun e a sua mais recente produção é o curta “O mundo de Dentro” (2018).

Viviane Ferreira
Diretora, ativista e advogada. Segunda mulher negra a dirigir um longa-metragem no Brasil. Dirigiu seu curta-metragem “O dia Jerusa” (2014), mais tarde resolveu expandir a história com o seu longa “Um dia com Jerusa” (2020) inclusive é o primeiro longa-metragem brasileiro de ficção com uma equipe majoritariamente formada por mulheres negras. Viviane foi eleita Presidente do Comitê Brasileiro de Seleção do Oscar 2021.

Sabrina Fidalgo
Diretora, produtora, atriz e roteirista. Foi considerada em 2018 na publicação americana Bustler uma das cineastas mais promissoras ao redor do mundo numa lista com 36 diretoras internacionais, ficando em oitavo lugar. Seu curta-metragem Rainha (2016) ganhou muitos prêmios em festivais e foi selecionado para o Festival de Rotterdam. Seu último curta, Alfazema (2019) foi premiado no Festival de Brasília e no Festival de Curtas do Rio de Janeiro.

Juliana Vicente
Diretora, produtora e fundadora do PretaPortê filmes. Atuou na produção de muitas obras que foram premiadas em muitos festivais. Dirigiu o curta-metragem “Cores e Botas” (2010) que concorreu no Festival Iberoamericano de Huelva e de Havana (disponível no Youtube). Também dirigiu o documentário média-metragem “Leva” (2011) que concorreu no Festival de Havana e foi premiado no New York Film Festivals. Produziu o filme “Anna K” (2015) de José roberto Aguilar e atualmente está desenvolvendo o longa-metragem “Lili e as Libélulas” do diretor René Guerra.

Renata Martins
Roteirista e diretora. Renata dirigiu e roteirizou o curta-metragem “Aquém das Nuvens” (2010), exibido em vários países e premiado no Festival Unasur na Argentina. Também é uma das roteiristas da premiada série Pedro e Bianca, ganhadora do Emmy Internacional Kids Awards (2013). Atuou como diretora audiovisual na Cia os Crespos onde dirigiu e produziu os vídeos cenários de vários espetáculos. É idealizadora do projeto “Empoderadas” websérie documental que valoriza a trajetória de mulheres negras em várias áreas de atuação. Dirigiu e roteirizou o curta “Sem asas” (2019) que recebeu o prêmio de melhor curta-metragem de ficção no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro em 2020.

Yasmin Thayná
Diretora, roteirista e professora. Yasmin é uma jovem cineasta, mas já dirigiu vários filmes, séries e clipes. Seu curta-metragem “Kbela” (2015), recebeu o prêmio de Melhor Curta-metragem da Diáspora Africana da Academia Africana de Cinema (AMAA Awards 2017) e participou de vários festivais ao redor do mundo. O filme foi produzido através de redes de afeto e da internet, por meio de vaquinha virtual. (Você pode assistir gratuitamente no site do filme). Yasmin dirigiu a websérie “Afrotranscendence” (2016) com 12 episódios. E também dirigiu o curta “Fartura” (2019). Em 2020 ela foi convidada pelo Instituto Moreira Sales (IMS) para produzir na quarentena, o vídeo “A vida é urgente” (2020) está disponível no Youtube.

Safira Moreira
Fotógrafa, produtora, roteirista e diretora. Dirigiu o videodança “Sentinela” (2016). Roteirizou, editou e dirigiu seu primeiro curta-metragem “Travessia” (2017), que foi premiado em diversos festivais nacionais e internacionais. Atuou como diretora de fotografia no curta “Eu, minha mãe e Wallace” (2018) e no longa “A matéria noturna” que ainda se encontra em pós-produção com previsão para 2021. Em 2020 fará o roteiro e a direção da série documental “Iyas Idanas” composta por 5 episódios, atualmente em fase de pré-produção.