Mare of Easttown, minissérie da HBO, foi criada por Brad Ingelsby e protagonizada por Kate Winslet que também assina a produção executiva.

Mare é detetive de uma pequena cidade na Pensylvania, ela é considerada uma heróina por todos, mas se vê pressionada pela população ao não conseguir desvendar um desaparecimento que já completa um ano. A busca pela conclusão desse caso é ainda estimulada quando um novo crime acontece na cidade chocando a todos. Ao mesmo tempo, Mare passa por problemas pessoais, depois de ter vivenciado uma tragédia familiar.

A trama é densa e intrigante, carregada de drama e suspense investigativo, na medida certa, tudo nessa história te deixa curioso e te fazendo desconfiar de quase todos os personagens. Mare of Easttown remete muito a esfera de The Killing (2011), cheia de camadas, assim como, seus personagens. Nada é simples ou raso. Superficialidade aqui passa longe. O elenco está sensacional, as atuações são cruas e excelentes.

Ao longo dos 7 episódios somos levados a uma sucessão de acontecimentos, cada situação, cada conflito não acontece à toa, nem mesmo as cenas que você pode julgar mais banal traz uma bagagem para a narrativa proposta. Os diálogos são muito bem desenvolvidos, sendo um dos pontos altos da obra. O enredo gira em torno da maternidade, sob diversos dilemas e em diversas esferas.

Com uma protagonista marcante Kate entrega tudo em sua atuação, carimbando com sucesso a sua volta. Mare é uma mulher forte, porém longe de ser perfeita e expõe na sua personalidade todas as suas falhas, assim como, em suas escolhas. Mare mete os pés pelas mãos e vive na corda bamba, ela não é feliz nem no trabalho nem em casa. A sua família passou por uma tragédia e ela se culpa pelo acontecido, além de não conseguir superar, fazendo isso refletir nas suas relações. Ao mesmo tempo ela tem uma firmeza e sabe o que quer. Em alguns momentos, quando alguém está em uma situação delicada com ela, termina resgatando o acontecimento trágico, usando isso como arma para atingi-la da pior forma possível. Pois é onde mora toda a vulnerabilidade dela.

As reviravoltas são muito bem construídas, quando você acha que descobriu você não sabe de nada e quando sabe, você ainda não sabe, resumindo, é plot em cima de plot, de uma forma muito eficaz eles conseguem surpreender com as escolhas narrativas tornando o fim surpreendente.

O último ep foi assistido por cerca de 4 milhões de telespectadores da HBO e na HBOmax. Essa classificação estabeleceu o recorde de episódio mais assistido de uma série original na HBOMax, durante seu primeiro dia de disponibilidade. Inclusive o streaming chegou até a travar nos EUA na época.

Mare of Easttown não deve ter continuação, os idealizadores pensaram nela como uma minissérie. Apesar de Kate já ter sinalizado que adoraria voltar para o papel, o showrunner afirmou em entrevista que para ter um segundo ano, ele precisaria encontrar uma história que faça sentido ter a sequência. A obra já é considerada uma das melhores do ano e chega com favoritismo ao Emmy 2021.