Remédio Amargo ou seu nome original “El Practicante” é um filme espanhol que chegou recentemente na Netflix. A produção é dirigida por Carles Torras e protagonizado por Mario Casas.

O filme apresenta Ángel, um paramédico misterioso que apresenta algumas atitudes estranhas e questionáveis. Ele tem uma namorada e ambos pretendiam ter filhos. Ángel sofre um acidente que deixa sequelas irreparáveis ao mesmo tempo que ele se mostra cada vez mais abusivo, ciumento e possessivo ao ponto de desenvolver uma obsessão. Ele é um psicopata em potencial.

A trama central do filme é interessante, com um suspense em crescente que tenta inovar várias vezes, mas ao ponto que a narrativa vai se desenvolvendo, não passam de tentativas, não trazendo novidades, exceto as condições do protagonista. O filme explora as dificuldades de Angel ao lidar com atividades do dia a dia, porém, isso não o desencoraja a agir de forma insana. Os planos fechados servem para expressar as limitações impostas ao personagem ao mesmo tempo que gera uma sensação de sufocamento. A fotografia é encardida ressaltando um ar descontente.

O filme tem poucos personagens, isso chega a ser um ponto positivo, mas fica devendo na questão do desenvolvimento. Mario Casas está bem, mas não é a sua melhor atuação, enquanto o restante do elenco está apenas ok. Mesmo você odiando e repudiando várias atitudes do protagonista, em alguns momentos pode rolar um sentimento de pena. Além disso, o longa vem dividindo opiniões, sobre a perda de suas habilidades ser o catalisador para o personagem começar a praticar seus atos psicopatas. O filme anda sendo acusado de não abordar o tema de forma responsável.

Várias situações ao longo do filme vão se repetindo, fazendo o espectador se cansar em alguns momentos. A impressão que fica é que ele vai criando uma expectativa, mas o ápice do filme não chega. A última cena tem um baita potencial e merecia ser mais explorada. O filme tinha muito potencial, mas caiu na facilidade de um suspense simples, não construindo nada de novo.

Como os filmes espanhóis estão chegando com tudo no catálogo da Netflix, essa foi uma boa chance para Remédio Amargo, ficando na casa dos filmes medianos, cumprindo a missão apenas do entretenimento, sendo facilmente esquecível.