É inegável que o cinema é uma das formas de arte mais poderosas para se contar uma história, mas algumas vezes, as histórias ficam tão marcadas, que acabam se tornando “clássicos”, histórias quase atemporais, e no cinema não é diferente, em mais de 100 anos de existência, a sétima arte nos trouxe grandes autores, e por consequências disso, grandes obras, grandes histórias, inúmeros clássicos, e hoje listamos alguns que você precisa assistir antes de morrer.

Lawrence da Arábia (1962)

Dirigido por David Lean, Lawrence da Arábia nos conta a biografia do coronel Thomas Edward Lawrence (1888-1935), militar que teve um papel fundamental na Primeira Guerra Mundial (1914-1918), o filme narra seu período na 1ª guerra, quando ele parte em missão diplomática para conseguir o apoio dos povos árabes contra o império Turco-Otomano. O cineasta britânico David Lean é conhecido por dirigir grandes épicos, e Lawrence da Arábia é considerado sua obra-prima, e não é pra menos, o filme é extraordinário em todos os sentidos, a direção impecável de Lean nos traz algumas das mais belas imagens do cinema, e uma das maiores atuações de todos os tempos, do antes desconhecido Peter o’Toole (1932-2013), entrega a performance de sua vida, sendo gentil em momentos calmos, e arrebatador em momentos de delírio, e a edição, é claro, uma edição onde momentos transcendem a genialidade, esse filme além de ser uma obra-prima, é considerado um dos maiores épicos de todos os tempos, e foi esse filme que fez com que Steven Spielberg (1946-) despertasse sua paixão por cinema e se tornasse diretor.

 No Brasil, o filme está disponível no iTunes, Google Play e Telecine Play.

O Homem de Ferro (1981)

Andrzej Wajda (1926-2016) sempre foi um diretor muito “político”, a história e a política de seu país natal, a Polônia, são temas centrais na maioria de suas obras, chegando a virar senador virar em seu país. Em seu filme O Homem de Ferro, nós acompanhamos um repórter do Partido Comunista que investiga uma onda de greves na cidade de Gdansk, ao longo de sua investigação ele percebe que o regime comunista é a utopia que ele imaginava. Wajda retrata com sensibilidade e realidade a greve, desenvolvendo a história através de flashbacks, nos é mostrado vários pontos de vista, assim dando mais realidade a história. O cinema polonês não é tão conhecido no Brasil, então o ritmo e a particularidade dos filmes podem estranhar à primeira vista, mas vale a pena ter paciência, já que esse cinema é tão ricoem histórias e artistas, O Homem de Ferro de Andrzej Wajda, é uma excelente porta de entrada.

 No Brasil o filme se encontra disponível em DVD, lançado pelo Obras-Primas do Cinema.

Ghost in the Shell (1995)

O filme mais recente dessa lista e talvez o mais conhecido, baseado no mangá de MasamuseShirow (1961-), Ghost in the Shell é um clássico da animação japonesa, e do cinema mundial, sendo um dos precursores da cultura cyberpunk, no filme nós acompanhamos uma divisão da polícia chamada de Setor-9 em uma missão para capturar um hacker que está corrompendo o sistema, o filme traz reflexões filosóficas e religiosas, sobre vida e alma, com um ritmo lento e contemplativo, o cineasta MamoruOshii (1951-) com uma direção muito particular, te transporta para um mundo futurista distópico e estranho, e o mais impressionante, você realmente acredita que vive nele. Esse filme é o primeiro de uma série de títulos, seja em filmes, séries ou games, dando início à uma das maiores franquias da cultura pop.

 No Brasil, o filme está disponível no iTunes, Amazon Prime Video e Netflix.

Metropolis(1927)

Aproveitando que falei de Ghost in the Shell, lhes trago agora a obra-prima do cineasta alemão Fritz Lang (1890-1976), Metropolis, considerado como o precursor do Sci-Fi no cinema, o filme nos apresenta um mundo distópico governado por uma corporação, onde poucos privilegiados podem disfrutar do jardim dos prazeres, enquanto outros vivem um regime de escravidão, o filme conta a história de Jon Fredersen (Alfred Abel), um jovem aristocrata que desfruta uma vida de luxo, até ele conhecer Maria (Brigitte Helm), uma líder que encoraja os trabalhadores a lutarem por seus direitos. O filme faz uma crítica ao capitalismo e a revolução industrial, o do por que existirem privilégios apenas para os ricos. Fritz Lang contou um orçamento gigantesco na época, construiu cenários em escalas reais, e ainda conta com um número absurdo de figurantes.Metropolis durante muito tempo teve metade de seu perdido, contando apenas com uma versão de 80 minutos duração, até que em 2006, em Buenos Aires, foi encontrado uma versão quase completa do filme, no entanto em péssimo estado, mas o filme teve sua restauração em sua versão integral, e hoje podemos disfrutar de uma obra-prima.

 No Brasil, o filme está disponível no Looke, Belas Artes à La Carte e NetMovies, além de ter sido lançado em DVD e Blu-Ray pela Versátil Home Video.

Os Sete Samurais (1954)

Fazer uma lista de filmes clássicos, e não colocar Akira Kurosawa (1910-1998), seria um verdadeiro pecado, já que a influência de seus filmes é tanta, que continua a inspirar até mesmo os melhores cineastas de hoje em dia, Kurosawa é considerado pelo os melhores, como o melhor, e quando digo “os melhores”, me refiro a Steven Spielberg (1946-), George Lucas (1944-), Francis Ford Coppola (1939-), Martin Scorsese (1942-) e Brian dePalma (1940-), a primeira geração de cineastas formada em cinema, só pra vocês verem o nível do Kurosawa, e acho justo falar de sua obra-prima, Os Sete Samurais, o filme tem um enredo simples, sete samurais vão proteger uma vila de um grupos de bandidos, bem simples, mas muitas vezes o simples é extraordinário, o filme é um primor visual, Akira Kurosawa era considerado como o “Beethoven do cinema”, cada cena ele trata como uma sinfonia, todos os instrumentos a comando do maestro, de um simples dialogo a uma cena de luta, o diretor japonês manipulava cada ângulo e movimento de câmera, cada detalhe disso, você percebe em Os Sete Samurais, e isso sem mencionar o elenco estelar, composto por astros da época, como TakashiShimura (1905-1982) e Toshiro Mifune (1920-1997). Os Sete Samurais é considerado a maior obra-prima do cinema japonês, e com certeza, é um filme para ver e rever inúmeras vezes.

No Brasil o filme está disponível em Blu-Ray, lançado pela a Versátil Home Video.

Barry Lyndon (1975)

Se Kurosawa era considerado um maestro, Stanley Kubrick (1928-1999) era considerado um pintor, e nenhum de seus filmes mostra isso mais que Barry Lyndon, seu filme mais subestimado, mas sem dúvida, o seu melhor trabalho, o filme narra a ascensão e a queda de Redmond Barry (Ryan O’Neal), um jovem irlandês de origem humilde, que se torna um poderoso nobre. Muitos conhecem a jornada do herói, para quem não conhece, é basicamente, uma teoria narrativa onde o personagem, no caso, o protagonista, começa sem nada e vai crescendo; em Barry Lyndon, Kubrick faz o inverso, Redmond começa como um jovem idealista, e ao longo da história vai se corrompendo, e quando você já aconteceu; a obra é excelente em todos os aspectos, seja em atuação, trilha sonora, etc… mas eu quero destacar, o visual, os planos, Kubrick não era considerado um pintor atoa, já todas as imagens do filme, são como um tributo às telas iluministas, a fotografia noturna toda iluminada à luz de velas, é uma poesia linda, não esperaria menos de cineasta que era fotógrafo. Uma curiosidade, é que Kubrick queria fazer um filme sobre a vida do imperador francês, Napoleão Bonaparte, mas devido ao fracasso financeiro de um filme que tratava do mesmo tema, ele fez Barry Lyndon, como uma forma de consolação, Barry Lyndon, uma obra-prima.

No Brasil, o filme está disponível no iTunes.

Duas Garotas Românticas (1967)

François Truffaut (1932-1984), Jean-Luc Goddard (1930-), AgnèsVarda (1928-2019), dentre tantos outros cineastas franceses que marcaram o cinema, eu escolhi falar de Jacques Demy (1931-1990), e de seu trabalho definitivo, Duas Garotas Românticas, mas por quê decidi falar de Jacques Demy? Bem, Jacques sempre me despertou um certo interesse, seus filmes são leves e divertidos, e ele tem um estilo bem único, mais até que o Truffaut, ele trata a câmera com suavidade e de maneira simples, e em nenhum filme dele é tão visível que Duas Garotas Românticas. O filme é um musical, e narra a histórias de duas irmãs gêmeas, Delphine (Catherine Deneuve) e Solange Garnier (Françoise Dorléac), ambas vivem em Rochefort, e buscam o amor, o filme segue suas desventuras em busca do par ideal. Como já dito antes, é um filme leve, com um ritmo dinâmico, boas canções e atuações, e até hoje é um filme homenageado, sendo uma das referências máximas de musical.

No Brasil, o filme está disponível no Telecine Play, e foi lançado em DVD pelo Obras-Primas do Cinema.

Madadayo (1993)

Para encerrar a lista, não via jeito melhor do que encerrar com o último filme do mestre Kurosawa, Madadayo, uma obra-prima, baseado em uma história real, o filme nos conta a história do professor, escritor e acadêmico HyakkenUchida (TatsuoMatsumura), que após 30 anos lecionando literatura alemã, decide se aposentar, para se tornar escritor, com o seu carisma e gentileza, ele conquistou o carinho de seus alunos, que todo fazem uma festa de aniversário para ele, onde perguntam “MadaKai?” (pronto?), e ele responde “Madadayo” (ainda não), como uma forma dizer que eles o teriam que aguenta-lo por mais um ano. Esse filme marca a despedida do mestre Akira Kurosawa, que já estava com a saúde bastante debilitada. É uma obra divertida e leve, e apesar de se tratar da morte, o filme é muito otimista, e te faz pensar sobre sua existência, ao final do filme, você estará chorando, não de tristeza, mas sim de felicidade, como se sua alma estivesse em paz.

No Brasil, infelizmente não está disponível em lugar nenhum, mas quem sabe a Versátil não o lance futuramente.

Espero que tenham gostado da seleção de clássicos, existem inúmeros filmes que poderiam ter entrado fácil nessa lista, mas decidi me concentrar em obras não tão conhecidas pelo o público nerd, e você? Conhece algum que poderia estar nessa lista deixe aí nos comentários.