Semana passada o anime Sailor Moon entrou no catálogo da Netflix. Esse clássico que fez parte da infância de muitos otakus, tem bastante influencia em um enredo de filme, onde podemos descobrir um pouco do anime.

Esse filme é O milagre da cela 7, mas não o turco. Calma ai, vamos explicar…

A história do filme turco, O milagre da cela 7 (2019), disponível na Netflix, é uma das várias versões do filme coreano de mesmo nome, lançado em 2013, e que entrou no ranking das maiores bilheterias e ganhando vários prêmios na Ásia. A história do filme depois de lançada na coreia do Sul, foi adaptada para outros países. Esses remakes foram feitos, por exemplo, na Índia em 2017 e nas Filipinas em 2019. O remake gravado na Turquia foi o que fez mais sucesso no mundo inteiro e levou os estrangeiros conhecerem a versão original coreana.

O filme coreano conta a história de um pai, Yong Goo que tem autismo e é injustamente acusado de sequestro, agressão e assassinato ao tentar salvar uma criança da morte com seus conhecimentos de primeiros socorros, e acaba sendo preso. Ele vive sozinho com sua filha de 6 anos Ye-sung, depois do acontecido ela é levada para um orfanato, mas com a ajuda dos colegas de cela do pai, consegue entrar escondida na cela 7, onde seu pai está. O amor que um tem pelo outro vai fazer um grande milagre em todos que convivem com eles. No filme turco o pai é Memo e a filha é Ova.

Os filmes coreano e turco tem enredos parecidos, mas adaptados para cada país, tanto na forma como o acidente com a criança aconteceu, até mesmo a personagem favorita da filha Ye- Sung e Ova, Sailor Moon e Heidi, respectivamente, pois esse fato influência para o desenvolvimento da história.

As duas versões transmitem emoções diferentes, A carga emocional que é passada no filme coreano é muito maior na coreana, mais “pesado”. Um dos motivos é que, apesar de o filme turco ser incrível, a atuação dos personagens coreanos e a química dos atores que interpretaram o pai e a filha conseguiu transmitir melhor o sofrimento e emoção que que algumas cenas pediam.

A ideia de a criança ser autorizada a ficar na prisão deixa as cenas da versão coreana muito mais leves e interessantes,  até mesmo engraçada que a da versão turca. Isso porque, no filme coreano, a filha passa vários dias na prisão com o pai e seus companheiros de cela, já a filha do filme turco passa apenas 1 dia na cela, é descoberta e então só ve o pai em dias de visita.

Nos dois filmes, um dos grandes desejos da filha é ter uma mochila de sua personagem preferida, a Sailor Moon, no filme coreano e a Heidi, no filme turco. Na tentativa de conseguir o que a filha tanto quer, o pai é injustamente acusado e preso. A motivação dessa mochila se perde na história, no filme turco. É esquecida assim que o pai é preso, diferente da coreana que a sailor Moon ajuda no desenvolvimento e amadurecimento de outros personagens através da filha Ye sung e ainda é lembrado no final.

O milagre da cela 7 dos dois países tem finais diferentes. O remake turco tem final feliz, o coreano apesar de não ter a mesma ideia de final feliz que a versão turca tem, você sente mais felicidade e conforto pelo que aconteceu. Portanto, por vários motivos e principalmente por um ter muito mais cenas que acrescentam ao filme do que o outro, além de uma questão de identificação, o Milagre da Cela 7 coreano é melhor que o remake turco.