A história de Lara Jean e Peter Kavinsky, infelizmente, chegou ao fim com o lançamento do último filme da trilogia baseada nos livros de mesmo título da autora Jenny Han.

O filme Agora e Para Sempre Lara Jean foi lançado no dia 12 de fevereiro pela Netflix, fechando a trilogia Para Todos os Garotos Que Já Amei. O terceiro filme acompanha o relacionamento de Lara Jean e Peter Kavinsky no seu último ano da escola e a busca de cada um pelo seu futuro. 

A primeira vista parece mais umas das produções cinematográficas que abordam o contexto do amor colegial e o que acontece com esse amor depois da formatura do último ano da escola, onde acontece conflitos, sofrimentos e brigas. O grande clichê desses filmes é que a distância vai separá-los, pois, para eles, um relacionamento a distância sempre acaba mal. É assim que se descobre os verdadeiros estereótipos de personalidades dos personagens, o namorado geralmente é possessivo, quer que a namorada estude na mesma faculdade não importa o quê, e caso ela não fique, ele prefere terminar. Já a namorada tem sempre que decidir se ela escolhe o seu namorado ou seguir sua faculdade dos sonhos, como se a distância significasse separação. Ideia típica de filmes colegiais americanos.

Por outro lado, quando se analisa mais profundamente todo o decorrer da história, percebe-se que este filme não é mais um clichê ruim e comum. O filme ensina que nunca é somente essas simples ideias, mostra que quando um casal tem amor de verdade, tem a compreensão, diálogo e respeito. Para Todos os Garotos que já Amei 3 tem um desfecho cheio de esperanças e certezas. Além de abordar muito bem as relações de família. É um filme muito tranquilo, sem aquelas grandes tragédias e sofrimentos de separação, e mesmo assim é um filme lindo.

Lara Jean e Peter Kavinsky são os melhores personagem de histórias colegiais de Hollywood, eles são diferentes, cheio de boas e diferenciadas características. O casal mais fofo vivido pelo ator, Lara Jean e Peter Kavinskysão os melhores personagem dehistórias colegiais de Hollywood, eles são diferentes, cheio de boas e diferenciadas características. O casal mais fofo vivido pelo ator, Noah Centineo, e pela atriz, Lana Condor tem uma grande química. Eles são daquele tipo de casal “Relationship Goals”, que muitas pessoas sonham em ter esse tipo de relacionamento. Eles tornam o filme doce, que se assiste quando se quer colocar um pouco de alegria em um dia triste.

As três irmãs Kitty, Lara Jean e Margot (da esquerda para a direita).

Além disso, a relação das três irmãs Covey, Lara Jean, Kitty (Anna Cathcart) e Margot (Janel Parrish) é muito bonita e verdadeira. Uma delas se destacou muito nos três filmes, a mais nova, Kitty, uma personagem pré-adolescente, nada comum e super inteligente. Outra personagem que se destacou foi a amiga de Lara Jean, Chris (Madeleine Arthur), elas são diferentes, mas se entendem. Chris tem o estereótipo daquelas mulheres independentes que não acha graça nenhuma em coisas clichês adolescentes e mete medo em muito homem, apesar disso, a personagem foge um pouco desse estereótipo, se destacando por suas ideias “fora da caixinha” e seus gostos nada comuns para uma sênior americana, de uma forma incrível. Kitty e Chris se destacaram e fizeram muitas fãs se identificarem com elas.

A trilha sonora do filme foi bem variada e casou bem com o filme, principalmente com a adição de músicas coreanas. No segundo filme, a produção colocou uma música de k-pop, que agradou muito os fãs, nesse terceiro também, uma música que surpreendeu principalmente aos K-popers. Sem contar que a personagem principal é filha de uma Sul-Coreana, por isso o k-pop já deveria estar presente no primeiro filme, da mesma forma que esteve nos dois últimos.

A direção, a fotografia e a edição ajudaram muito a criar aquele clima mágico e romântico nas cenas, com destaque para as cenas em que de uma forma bem interessante e curiosa as paredes do cômodo em questão eram em forma de desenho animado. O filme conseguiu desenvolver bem todos os personagens.

Em relação a adaptação do livro para o filme, senti falta de algumas cenas, principalmente a cena que Peter convida LJ para o baile de formatura, pois, elas são muito diferente no livro, a qual é muito mais fofa e engraçada, e no filme. Além disso, alguns diálogos do livro foram colocados em outras situações e em cenas diferentes de como dizia o livro. Mas, nada disso prejudicou o desenvolvimento da história do filme, pois esses detalhes se tornaram sem importância, já que esses diálogos se encaixaram muito bem na cena.

Portanto, Agora e Para Sempre Lara Jean, disponível na Netflix, é um filme muito amorzinho que vale a pena assistir e deixou um gostinho de saudade de ver todos esses personagens novamente. Ressaltando que vale, demais, a pena ler o livro, se apaixonar pelo filme também é o mesmo sentimento de se apaixonar pelo livro.

Assista ao trailer