E aí pessoas, tudo bem com vocês? Acho que todos nós devemos concordar que a hora de escolher um filme na Netflix é uma das mais difíceis. As vezes passamos mais tempo escolhendo o que assistir do que assistindo de fato! São vários filmes mais do mesmo, que já vimos várias vezes, é difícil sermos surpreendidos.

E é justamente para sair dessa mesmice que venho indicar a você três filmes espanhóis que estão no catálogo da Netflix e possivelmente você ainda não conheça!

O Bar

É mais um dia comum em um pequeno bar em Madrid, várias pessoas diferentes, com histórias diferentes em um mesmo local, levando sua rotina diária. Até que um dos clientes resolve ir embora e ao sair do bar leva um tiro.

As pessoas da rua correm em desespero e logo la fora fica um deserto, só o corpo da vítima caído no chão, é como se todos tivessem sumido. Outro cliente tenta ajudar a vítima caída e também leva um tiro. Logo todos do bar resolvem se trancar lá dentro até entender o que está havendo. O telejornal não mostra nada do ocorrido, a internet também não, a vida parece seguir normal fora do bar. Então o que está havendo?

Um enredo intrigante, atuações excelentes e uma direção competente para segurar um filme que se passa quase que totalmente em uma locação só (o bar). O longa trata de relações humanas, o que somos capazes em situações extremas? A humanidade de cada um se mantém intacta quando o instinto de sobrevivência fala mais alto? Uma ótima pedida para o fim de semana.

Um Contratempo

Este é um filme difícil de comentar, pois os mínimos detalhes influenciam na experiência e podem ser considerados spoilers. Adrian recebe uma mensagem de sua amante para encontrá-la no hotel, ao chegar lá ele diz ter sido golpeado e ficado inconsciente, ao acordar ela se encontrava morta e a polícia havia sido acionada.

Ele é o principal suspeito, sem memória e sem provas do que ocorreu contrata uma das melhores advogadas do país para defende-lo. Quase que todo o filme é baseado nela o preparando para depor e tentando juntar as peças do que ocorreu.

A direção é de Oriol Paulo, anotem esse nome porque o cara é bom, ele consegue criar um clima de suspense onde nada é o que parece e segurar a atenção do espectador até o final em um jogo de gato e rato que vai te fazer nem ver a hora passar.

Durante a Tormenta

Vera Roy é uma mulher casada que vive feliz com seu marido e filha, um certo dia ela encontra em sua casa um televisor muito antigo (daqueles de tubo) e várias fitas que mostravam gravações feitas por um garoto que viveu na casa e foi morto nos anos 80. Durante uma tempestade elétrica, de alguma forma ocorre um defeito no espaço-tempo e as TVs se conectam de forma a ela entrar em contato com o garoto. Ela tem a chance de impedir o assassinato, mas isso mudaria tudo em sua vida.

Para quem gosta de filmes com temáticas de viagem no tempo, essa é uma ótima pedida. Oriol Paulo, olha ele aqui de novo, assina a direção e roteiro do longa e consegue mais uma vez fazer um trabalho incrível. Um filmes imperdível!